Mulher, mais de 40, mãe de dois adolescentes, em constante conflito e mutação... uma fazedora de sonhos... uma colecionadora de memórias... Frase que me define hoje: "Justamente quando a lagarta pensou que tudo houvesse terminado... ela virou uma borboleta"


Histórico:

- 25/03/2007 a 31/03/2007
- 14/01/2007 a 20/01/2007
- 07/01/2007 a 13/01/2007
- 26/11/2006 a 02/12/2006
- 19/11/2006 a 25/11/2006
- 12/11/2006 a 18/11/2006
- 05/11/2006 a 11/11/2006
- 29/10/2006 a 04/11/2006
- 08/10/2006 a 14/10/2006
- 01/10/2006 a 07/10/2006
- 24/09/2006 a 30/09/2006
- 17/09/2006 a 23/09/2006
- 10/09/2006 a 16/09/2006
- 03/09/2006 a 09/09/2006
- 27/08/2006 a 02/09/2006
- 20/08/2006 a 26/08/2006
- 13/08/2006 a 19/08/2006
- 06/08/2006 a 12/08/2006
- 30/07/2006 a 05/08/2006
- 23/07/2006 a 29/07/2006
- 16/07/2006 a 22/07/2006
- 09/07/2006 a 15/07/2006
- 02/07/2006 a 08/07/2006
- 25/06/2006 a 01/07/2006
- 18/06/2006 a 24/06/2006
- 11/06/2006 a 17/06/2006
- 04/06/2006 a 10/06/2006
- 28/05/2006 a 03/06/2006
- 21/05/2006 a 27/05/2006
- 14/05/2006 a 20/05/2006
- 07/05/2006 a 13/05/2006
- 30/04/2006 a 06/05/2006



Outros sites:

- Olhando a Banda Passar
- Le Bal Masqué
- Dito Assim Parece à Toa
- Andando em Círculos
- A Vida em Palavras
- Estado de Circo
- Notas do Velho Safado - by Hank
- Navegar Impreciso


Votação:

- Dê uma nota para meu blog

Indique esse Blog


Contador:

Créditos:



Ninguem ama impunemente (Rosana Braga)

Pode até parecer, mas não estou querendo dizer que quem ama merece ser punido. Muito pelo contrário! Quem ama merece ser amado, acima de tudo. No entanto, muitas pessoas vivem relações tão difíceis, tão cheias de obstáculos, empecilhos e dificuldades, que terminam acreditando que o amor, para elas, é quase que um castigo.

“Falta de sorte no amor” é uma crença fortíssima que muita gente alimenta e divulga aos quatro cantos. Porém, definitivamente não acredito que o amor contenha em sua essência qualquer coisa a ver com sorte. Estou cada dia mais convencida de que o amor é reflexo de dentro para fora, é algo que cada um de nós sente à sua maneira, no seu ritmo, com o seu conteúdo interno; obviamente, levando em conta que o amor só é amor quando tem o intuito de construir e nunca, em nenhuma circunstância, de destruir o outro.

O que a gente sente não está escrito em algum lugar ou predestinado para ser exatamente como está sendo. Se fosse isso, o amor perderia seu propósito, anularia a grande oportunidade de evolução e crescimento que traz consigo.
Portanto, aí está a razão da minha afirmação: ninguém ama impunemente, justamente porque esse sentimento chega na vida da gente trazendo um desafio absolutamente precioso e divino. O de exercitar a nossa capacidade de derrubar as máscaras, de rever as regras, de mudar conceitos e comportamentos, de olhar para nós mesmos e iniciar um processo de autodescoberta, de reciclagem e revisão de tudo o que acreditamos até então.

Claro que isso é doloroso, mas por alguma razão muito particular, parece-me que algumas pessoas optam por transformar o exercício de sentir num martírio insuportável. Vivem repetindo situações, padrões e comportamentos sem se darem conta de que a escolha é pessoal, de que elas mesmas se deixaram enredar por uma espécie de rotatória autodestrutiva!
Isto é auto-sabotagem! Somos “mestres” em nos sabotar porque temos medo da felicidade, do amor, da plenitude. Temos medo de não saber o que fazer com o que merecemos, com o que a vida pode nos dar. Assim, inconscientemente, repetimos encontros desastrosos e com finais frustrantes, desgastantes... como que para reafirmar a nossa “falta de sorte”!

Pare!!! Saia da rotatória destrutiva! Encontre seu centro, sua essência, o verdadeiro amor que você deseja viver. Escreva, se sentir que isso torna seu desejo mais concreto, mais real. Descreva com detalhes, deseje com profundidade, reveja cada conceito limitante e desmotivador que você construiu ao redor do amor, do que esse sentimento significa em sua vida.

Permita-se algo maior, melhor, mais construtivo e evolutivo. Encare as suas escolhas afetivas como caminhos, como importantes processos para o seu crescimento pessoal. É nesse sentido que reafirmo que ninguém ama impunemente. Ou seja, amar deve nos remeter a um degrau acima, sempre... Mas entrar e sair das relações sem respeitar o outro, sem respeitar, sobretudo, a si mesmo, aos seus princípios de dignidade e ética humana é supor que o amor se assemelha a um tropeço, a um acaso, à mera sorte ou falta dela...

Sugiro que você ame aprendendo, ame refletindo, ame propositadamente, com toda a verdade que pode estar contida em seu coração. Porque se não for isso, se não for assim, está na hora de sair da rotatória...

Rosana Braga é Escritora, Jornalista e Consultora em Relacionamentos Palestrante e Autora dos livros "Alma Gêmea - Segredos de um Encontro" e "Amor - sem regras para viver", entre outros.

*** Há tempos a inspiração me foge.... será que felicidade demais causa isso???



Escrito por L.C. às 15h31
[ ] [ envie esta mensagem ]


O Tempo do Amor

Eu tenho gostado desses novos tempos...  apreciado a companhia voluntária... as mãos dadas... o grande encontro... o beijo quase roubado, cheio de vontade... os pés descalços... a cama depois do banho....o abraço ao adormecer...  tenho aprendido a valorizar a paisagem através da janela... as árvores... o som dos pássaros logo cedo... tenho adorado a sensação de sorrir ainda antes de abrir os olhos... de acordar feliz... como que renascendo para uma nova vida...  descobri que gente bem humorada, que leva a vida numa boa, consegue dar a cada coisa o seu verdadeiro tamanho... o seu verdadeiro valor... .  sem falar na delícia que é ouvir a mesma música cinco vezes seguidas...  começar a gostar das que não conhecia só porque alguém especial apresentou...  redescobrir  uma melodia... uma letra... e mesmo a  música triste que me faz feliz....  compartilhar conhecimento... compartilhar as coisas... compartilhar a vida... sonhar juntos.... e fazer planos... juntos!... e a doce sensação de receber uma ligação de madrugada... dele, que tomou umas a mais e incontrolavelmente quis falar comigo!... e as coisas que a gente diz quando bebe.... falar em metáforas e ser compreendida... coisa rara de se ver....  tenho vivido um sonho lúcido.... e posso conversar quando as coisas estão transbordando em mim.... ser cúmplice... ter um cúmplice...  uma relação de parceria...  e viver as surpresas... e, sobretudo, a sinceridade... mesmo quando dói... sem meias verdades... sem mentiras sinceras...  a coragem de reconhecer... a sabedoria de compreender... e passar horas  em silêncio... aquele silêncio onde cabem mil palavras... todas desnecessárias... em harmonia...   deixar o coração aberto... e a alma aventureira... as coisas que a gente diz... e as coisas que não dizemos... alguma coisa que quebre toda a seriedade... que faça desabrochar um doce sorriso... o carinho nas pontas dos dedos... o carinho no brilho dos olhos... os pequenos cuidados... o cheiro dos temperos... o gosto da boca... o calor do corpo... e a explosão do prazer....  amar não deve ser mais que isso... e eu tenho gostado desses novos tempos... o tempo do amor...



Escrito por L.C. às 01h45
[ ] [ envie esta mensagem ]


Um ano passou... e outro chegou cheio de promessas.... aquela energia de dever quase cumprido e de que na virada, a vida ganha página nova pronta para ser riscada.... como se todos tivéssemos uma nova chance.... para tempestades.... calmarias.... flores.... para retomar planos.... voltar a acreditar em velhos sonhos.... descobrir sérios desejos.... deixá-los brotar.... e, vez ou outra, na crista da coragem, mudar tudo.... demolir... cortar o cabelo... mudar o visual... surpreender para observar como a natureza reage à diferença.... surpreender sem haver necessidade.... olhar ao redor... olhar para dentro... descobrir onde os nossos movimentos nos levaram.... Onde ecoa o nosso sim.... E onde reverbera o nosso não...

 

Enfim chega o novo ano... e, dizem que essa é a época em que devemos fazer uma retrospectiva de nossa vida... Eu sempre faço...E quer saber?... Todos os anos eu agradeço  tudo que tenho e  o ano que passou... pois cheguei ao final dele inteira... E como é dificil chegar assim ao final de cada ano... São muitas lutas... muitas perdas... mas também muitos amigos... muito amor....Então meu saldo anual é pra lá de positivo...

 

2006 foi um ano difícil... mas, muito importante... atravessei tempestades pessoais... caí e subi mil vezes, emocionalmente... perdi uma tia querida... um marco dos mais doloridos... mas sorri bastante... recuperei a alegria de viver... compartilhei momentos preciosos com amigos também preciosos... troquei de emprego duas vezes... e tenho certeza que esse me faz feliz...  sobrevivi... e entro em 2007 refeita... forte... corajosa... e amando... amando muito... amando meus filhos... meus amigos... meu trabalho... e o meu namorado... o homem mais especial que jamais conheci... e pelo qual eu acho que esperei a vida inteira... entro em 2007 feliz... como há muito eu já não me lembrava que poderia ser!

 

 
Então quero desejar que  2007 seja um Ano assim para os amigos que me visitam aqui.... um ano de colheita... de saldo positivo... de muita paz... muita harmonia em suas relações... de muita luz em seus caminhos... e, em especial e, em primeiro lugar, de muito amor!!!

 

E para começar bem... aí vai a letra que me inspirou o começo de um ano mágico:

 

 

ACASO (Abel Silva / Ivan Lins)

 

Não sei se o acaso quis brincar ou foi a vida que escolheu...

Por ironia fez cruzar o meu caminho com o seu...

Eu nem queria mais sofrer a agonia da paixão...

Nem tinha mais o que esquecer... vivia em paz com a solidão...

Mas foi te encontrar e o futuro chegou como um pressentimento...]

Meus olhos brilharam... brilharam... brilharam... no escuro da emoção...

 



Escrito por L.C. às 23h22
[ ] [ envie esta mensagem ]


Um Beijo Para Brindar... (um caminho sem volta)

Já não faço mais tanto esforço para compreender.... compreender você me parece mais que um exercício de paciência... embora eu viva aquela vida comum em que amanheço e anoiteço com o relógio marcado... ainda que meus dias funcionem de acordo com os óbvios de levantar, trabalhar, pagar as contas e voltar para casa... ainda assim, não me esforço mais para tentar compreender.... esse desprendimento de energia, muito comum aos que têm sede, é bem menor hoje em dia... por uma questão muito simples que não envolve o secar, apenas a administrar melhor a energia, a atenção, as águas.... já não me pergunto como chegamos até aqui.... acho que eu não sei.... poderia até dizer que a falta de opção nos afunilaram no bar menos quente numa noite mais quente... e então a conversa... ou a bebida... ou os dois juntos, vai saber, dos encontros, das surpresas, das afinidades da vida... daquilo que é afinado ou não... nos reuniu num balcão dessa louca vida....


Tanto tempo... tantas músicas... tantos papos depois... algumas referências em comum... daquelas fáceis de livros e filmes e diretores e canções, que nos esbarra em boa parte...  de quem aprecia o que é bom... e, talvez, algumas outras mais curiosas... efeitos do whisky ou da fumaça de cigarros ou da atmosfera da madrugada... falamos muita besteira para preencher a noite e despertar a atenção... é provável que eu nunca tenha dito que o meu melhor amor começou de um silêncio desconfortável... de um profundo silêncio de olhar nos olhos e não saber o que dizer ou onde colocar as mãos?... nasceu assim, de um observar de causar arrepio na nuca... do detalhe que muitas vezes acende... a ponta de um sorriso... a maneira de acender o cigarro... a ironia fina de canto de boca... a inteligência simples que abre as portas... na ausência de palavras... entregue ao momento... muitas vezes me peguei pensando “agora não dá mais para voltar” ... e segui adiante porque seguir é dos dias.... é de mim... então, eu proponho um beijo... um beijo para iluminar a noite... para certificar as intenções... para romper as expectativas... um beijo, enfim... um beijo para brindar o encontro.... para refrescar o calor... para elevar o termômetro... para que possamos sair daqui e prolongar o encontro em outro ambiente mais fresco e menos barulhento... ou para ficarmos aqui... e criarmos o nosso silêncio entre gemidos e sons...

 

Eu desisti de compreender... e confesso que desconfio de quem exibe certezas e conceitos.... desconfio de gente que declama verdades... de gente que não se permite a interrogação... o não saber, o aprender o que já é, mais uma vez... é como poder usar a mesma camisa branca de hoje em outra ocasião, em outra noite, em outra conversa... me vestir do óbvio para não saber...  agora não dá mais para voltar... até porque... não quero mais voltar...

 



Escrito por L.C. às 23h53
[ ] [ envie esta mensagem ]


O Encontro

Foi um desses encontros de não saber explicar... poderia tentar, com alguma empolgação, dizer que a cidade estava inspirada e fez com que o esbarrão fosse tão intenso...  poderia tentar dizer também que já passaram outras vezes um pelo outro, sem se observarem.... cada um na sua direção e na sua velocidade... o pensamento na cadência do compasso dos últimos acontecimentos da vida de cada um... e sequer haviam cruzado o olhar... feito um pedido no mesmo momento num bar qualquer... e nunca, nem um olhar de lado, desatento, despretensioso, desinteressante.... nada.... nem uma vez sequer... ou na bagunça de um shopping... ou na porta do cinema... ou numa livraria... nunca antes... nem em pensamento... até que houve o esbarrão... e tempos depois já brincavam de conversar... talvez empolgados com a possibilidade de quem sabe... dessa vez... agarrados ao acaso... quem sabe... dessa vez, porque todo mundo precisa desta oportunidade e também eu... talvez pensassem juntos... embora sem dizer uma palavra.... perceberam que as frases feitas não incomodavam... os pensamentos rasos não atrapalhavam... a euforia contagiava... e surpreendiam-se com as afinidades... que até mesmo o discordar... a leve sensação de que talvez não fossem tão... tão... compatíveis... ou então desiguais... ou até mesmo inexatos... tudo isso os despertava e os ensurdecia.... caminhavam afunilados... e ousaram esperar o tempo certo... souberam estabelecer um tempo de espera até ao inevitável.... não rasgaram as roupas... não se atracaram no banheiro do bar... não se embebedaram para justificar as atitudes.... com muita calma e com todo o cuidado... embora urgentes... souberam esperar  o momento certo... quando finalmente se deitaram... os copos de whisky sendo esvaziados... e música... apenas para ouvir... somente para curtir... como que complementando a cenografia... a luz agradável... mais escuro do que claro... porém os olhos conseguiam brilhar... e se compreender nos momentos de se enfrentar... mas sem duelar... apenas sugerir... convidar... exercitar....

E aí foi como um raio de sol... raio, pela velocidade de como você aconteceu... pela capacidade de criar atritos em mim... mesmo sem saber.... mesmo que saiba... de sol, por saber iluminar alguns pontos meus que estavam meio nublados... você me faz ver melhor os tons das cores... pode ser que eu tenha me apaixonado pela maneira inusitada de como nos conhecemos... pela atenção que eu você me deu... ou até pela situação....  acho que o inesperado sublinhou os fatos.... que ele romantiza um pouco, mas... eu gostei de você.... de verdade.... e quando você sorriu, eu me senti atraída... e você olhou nos meus olhos... me encarou com segurança....  eu não idealizei nenhum outro tipo de relação entre nós... deixei apenas chegar até aqui... no fundo, tudo o que eu poderia te dizer... tudo o que eu poderia te escrever... já foi dito ou escrito por alguém....

 

Não sei onde eu quero chegar... talvez não chegue... talvez o barco não cruze a travessia e se mantenha de acordo com as ondas... sem um destino selado... se aproximando de qualquer ilha mas sem tocar a terra... sem deixar de balançar... sem naufragar... ou sem ser náufrago....

 



Escrito por L.C. às 23h23
[ ] [ envie esta mensagem ]


UM MAIS UM... (e cada um é um)

Faz um tempo que não escrevo...  senti vontade de escrever para você...  não mais um novo e-mail esbanjando carinho e admiração... não mais um texto sublinhando a falta nova que você me faz.... tive vontade de escrever sobre o que sinto por nós dois... deixando de lado o estilo romântico-sentimental... que sempre me desarma...  me deixa um tanto vulnerável por não ter onde me segurar...  quando eu preciso te dizer a verdade...  te escrever sempre foi um exercício não apenas de paixão... mas de amor às palavras.... eu me descobri apaixonada pela maneira de te dizer desse amor... aí eu abro esse texto dizendo que você foi o homem que me abriu o chão...  o responsável pelo meu exercício da escrita.... pelo amadurecimento dos meus textos... pela minha mais íntima dedicação...  por meus momentos de intensidade sem medo....


Senti vontade de te escrever sobre nós dois... sem retroceder o nosso encontro no tempo e dizer tudo o que vivemos de lá para cá... não... a nossa  história, nós estamos vivendo... eu quis te contar das eclipses.... te participar dos silêncios... dos momentos em que não estivemos juntos fisicamente... da seqüência de acontecimentos que experimentamos... juntos... e dos momentos em que estivemos distantes... eu, dentro da minha vida... em outro cenário... você, do seu lado da ponte... entregue ao teu roteiro.... senti vontade de te contar desse compromisso que a gente não tem de ser um só...  da unidade de ser alguém e conseguir dar continuidade à nossa formação... que muda sempre porque estamos abertos ao que é novidade... ao que nos interessa...  te lembrar da beleza de ser indivíduo... peça única.... mas que, ao encontrar o outro, seja alguém para confiar a amizade... seja alguém para depositar o amor... transformar a vida.... brincar de construir para demolir... e depois construir e depois... faz de conta o que é realidade... leva a sério a fantasia... essa soma, do um mais o outro...eu mais você... e a música... mais o amor...

Faz um tempo que penso... sinto muita dificuldade de encontrar o jeito certo... respeitando teus espaços...  porque falo de um amor que existe e brilha ... um amor transformador...  que nasceu da unidade eu e ao encontrar a unidade você, cresceu... explodiu... transtornou... pariu beleza... movimentou a minha vida...  nos ofereceu uma oportunidade...  nos faz felizes... falo de um amor que nos transformou porque assim o tempo deixou... porque assim nós permitimos... porque conduzimos com calma...  que depois de uma temporada em quietude... meio no escuro... meio sem cobrança... encontrou em nós, força e motivos para continuar existindo....  

 

Eu levantei decidida... no meio da noite.... suspirei e compreendi que eu ia te escrever que a soma de nós dois, só foi possível porque nos respeitamos como indivíduos... no melhor e no pior... no riso solto... e no choro incontido...  tudo isso só foi possível porque conseguimos encontrar equilíbrio nos excessos de ambas as partes... e no fino desejo de querer estar.... só porque é bom...  

 



Escrito por L.C. às 00h57
[ ] [ envie esta mensagem ]


Uma música para chamar de NOSSA

É uma história que já dura meses... possuímos uma intimidade tão grande que até o que jamais deveria ser dito, é gritado!... e dói... mas é dor que passa... os momentos de felicidade conseguem ser tão maiores... em freqüência e intensidade... e as surpresas se sucedem... numa deliciosa seqüência de emoções profundas...

 

Existem momentos que são feitos para serem vividos intensamente... únicos... especiais... e ontem foi um desses... e, olha que não tenho a pretensão de querer todos os dias maravilhosos...mas quero viver feliz os que você puder me dar... Ontem foi a música... uma música para chamarmos de NOSSA.... uma daquelas que para sempre trará lembranças boas... e que me fará chorar compulsivamente...  amei você ter escolhido esta música para nós... assim como aprendi a gostar de todas as outras que você curte... porque, no fundo, o que eu adoro mesmo é quando você abre sua vida pra eu entrar...devagar... porque, de certa forma... não estamos presos, estamos livres, mas estamos juntos..

 

Por isso nunca se preocupe em enxugar minhas lágrimas... aguar e desaguar é o que tenho de mais íntimo... e, ao seu lado, posso ser assim... e você pode me ver fragilizada... não quero planejar meus atos... nem minhas palavras... porque sou sensível... e totalmente impulsiva...  e quando sinto , sinto um todo... mas também sei respeitar sua liberdade... para que tua alma e teu coração consigam organizar seus sentimentos... jamais vou invadir sua quietude...

 

Bob Dylan – My Back Pages - Essa será para sempre!

 



Escrito por L.C. às 18h42
[ ] [ envie esta mensagem ]


A toast to the future!

De tudo o que eu já disse... o que realmente é importante é que eu fiz uma opção...  que me faz feliz... que me faz uma pessoa melhor... mais madura... mais segura... uma opção que respeita os nossos espaços... ao mesmo tempo em que testa a minha força... e eu sei que sou capaz de enfrentar a minha decisão... reafirmando a todo o momento que é só respeitando teu silêncio é que eu vou poder te compreender... às vezes penso nas nossas diferenças que muitas vezes nos fazem duelar... do olhar que é tão diferente do meu... mas que quando se funde ao meu fica tão lindo... que dá força para que eu consiga, depois de todos esses meses, ser eu mesma... mesmo sujeita aos raios e flores.... independente da caminhada... porque, com você, eu reencontrei a noção do exato... e os sentimentos... as minhas atitudes... tudo isso ganhou um novo foco... e eu, aos poucos, ganhei um ponto de exclamação... no lugar da boa e velha interrogação....

 

Eu fiz uma opção... escolhi meu caminho... e o que acontecer daqui para frente, assumo a responsabilidade... não sou de fugir... quero ir até onde a emoção me levar... assim... como tem sido... sacudindo minha emoção... me tirando gostosamente do eixo... há pouco, tive vontade de tentar te dizer como eu nunca disse....  tive vontade de chorar como eu nunca chorei ao teu lado... tive vontade de abraçar... e permanecer abraçada até que nos separassem... até que nos apartassem o carinho... até que me arrancassem dos teus braços... mas tento não perder o controle... tento parecer segura... inteira... séria... para que você entenda apenas que tudo que eu preciso desse momento é do seu colo seguro... ainda que você nem imagine...  ainda que repita tudo o que já me disse.... ainda que nossas vidas estejam tão misturadas... e eu já não sei mais onde sou eu... e onde é você...

Meu amigo... meu amor... pense em tudo o que vivemos até aqui... do carinho protagonista aos segredos que nos surpreenderam... das noites em claro conversando ao sono abraçado e fumaça de cigarros... hoje é para você que eu escrevo... assim,  declaradamente...  sem códigos ou metáforas... porque o sentimento está vivo e é intenso... quero que entenda que eu te amo... e que é o amor que me leva adiante e me faz ser quem eu sou... hoje... amanhã... e a cada novo ciclo... até que você possa me ver como eu vejo você... até que o olhar busque as mesmas necessidades...  porque sempre  chega um momento em que a gente procura o necessário... nunca o de menos... ou o que vai além...  e, talvez por esse mesmo motivo, estar em busca do necessário, é que estejamos no meio do caminho... nada é definitivo... tudo deve durar o tempo que for para durar... é o que tiver que ser... o tempo que o outro levar para descobrir que é... mesmo já sendo...

 

Algumas perguntas eu preciso me refazer de quando em vez... algumas respostas eu não me sinto capaz de produzir... e eu sei que a vida da gente não se resume em objetivas perguntas e respostas... mas nos fazer perguntas, muitas vezes, gera um movimento... e todo movimento indica uma direção.... vamos descobrir, juntos, para onde devemos caminhar... para que possamos ser futuro...



Escrito por L.C. às 00h21
[ ] [ envie esta mensagem ]


A nossa história a gente inventa...

Baby... te escrevo... e faz menos uma hora que nos despedimos.... e ainda sinto o corpo aquecido pelo abraço que não trocamos nem sei porque... ainda tenho o teu sorriso na retina... o timbre da tua voz ainda existe intenso em mim... meu corpo ainda tem urgência do teu... 

 

Não sei ainda explicar o quanto é bom te ver... dividir um pedaço do dia... seja para falar, ouvir, abraçar, silenciar... e admiro a sinceridade com que você enfrenta os teus nós... a tua maneira direta de simplificar o que parece complexo... e de complicar o que é tão infinitamente simples... mas o que importa é que muito bom estar ao teu lado... porque você me aponta caminhos que não sabia existir... você me acende possibilidades.... uma nova descoberta dos meus próprios subterrâneos... e de mim mesma... uma “eu” que me era desconhecida... muito mais calma... mais serena... mais paciente...

 

E assim vou escrevendo... lembrando de frases que anotei em algum momento de vida... e que jamais esqueci... foi curioso... lembrar de frases soltas... como uma pena ao vento... eu escrevia essas  coisas “jogadas”.... lembrei de textos muito antigos... uma maneira de escrever muito intensa... quase ingênua... que não sei onde foi parar.... talvez meu coração fosse mais selvagem.... eu era jovem e acreditava que o mundo me pertencia... não existia tanto o medo do tombo, das dores... nem as cicatrizes... eu era, ou tentava ser, mais sedutora e destemida.... era mais objetiva e tinha mais a dizer... minhas palavras pareciam urgentes.... senti saudades de escrever daquela maneira.... 

 

Hoje... já madura... não tenho muito mais tanto a dizer... tenho com você uma comunicação que é tão nítida e tão precisa que esse texto só está sendo escrito para te dizer que já sinto a sua falta... e que adoro o nosso encontro... ele me inspira... me entrega a sensação de que trocar é também aprender... e você tem me ensinado a amar assim sem concordâncias... sem procurar sentidos.... sem me incomodar com o tempo nublado... com o céu azul... com as dores que não nos doem...

 

E a nossa história a gente inventa... e que o final seja sempre feliz...

 



Escrito por L.C. às 00h36
[ ] [ envie esta mensagem ]


Eu Permito

Decidi simplesmente permitir... acho que é isso... eu permito.... e permito sem considerar nenhum outro desejo que não o de agora... sem considerar nenhum passado entre nós... ou qualquer possibilidade de futuro.... apenas permito... entrego confiando nos teus olhos todos os passos que nos permitimos até aqui... onde zeramos nosso antes... para depois, interrogarmos o nosso depois... aqui eu tiro a roupa dos dias... e quero a tua nudez de homem e o doce da tua boca... o toque da tua pele na minha... os pelos na desordem natural do corpo... os traços e volumes... e os músculos e nós... nós, a soma do eu e do você... o plural... transbordando o copo... duplicando olhares... as diferenças... a vida comum refletida pelo espelho dos olhos do outro... o elo de qual ligação nos deu o laço... tal qual uma fita num presente especial... é assim...

 

Eu permito... sabendo de tudo o que eu sei até aqui... e ignorando essa trajetória para começar um novo começo... acredito que é preciso desaprender de quando em quando... zerar o cronômetro para um novo tempo... limpar a passarela para um novo desfile... cada pessoa é um novo começo.... tenho a soma dos teus olhos nos meus... a soma da tua boca na minha... e todo o embolar de silêncios e sons...

 

Eu permito porque o sexo é tão bom e confortável e dura o instante de uma eternidade e não deve ter fim... e fodam-se as convenções caretas... e o papai-mamãe...e todas as transas sem amor... porque para compreender o que é invadir o corpo do outro é preciso amar e desejar intensamente...  sem ter que pedir licença para entrar... sem se sentir constrangido para explodir séculos e vidas dentro do universo... nem a intimidade e a história do outro...  

Venha então... entre... eu permito.... eu desejo.... eu desejo apenas o teu desejo... apenas satisfazer nossos silêncios... de olhos nos olhos... e corpo no corpo... vem comigo... vem.... vamos tocar as estrelas...



Escrito por L.C. às 00h24
[ ] [ envie esta mensagem ]


O Garoto

As luzes na minha janela... um ventinho frio sopra pela fresta... início de primavera... sozinha... ignorando os lençóis... os cobertores... os gelados pés descalços.... e tudo que eu queria agora era poder te dizer que eu sempre encontrarei espaço para te amar... que existe em mim um tempo de amor... que de quando em quando me pega de surpresa... e chega de mansinho... e me invade sem pedir licença... eu te observei dormir... enquanto ouvia as músicas que você gosta... e me ensinou a gostar... a música que desperta sensações... que aproxima... que marca um momento... acordei com a luz do sol ainda tímida...  faz frio apesar do sol... mas o sol parece querer esquentar... eu adoro cenários e textos.... mas, adoro os cenários.... eu gostaria de poder te dizer imagens... eu gostaria de poder te dizer meses de amor... te informar noites e poemas... e o quanto eu te adoro... o quanto eu adoro adorar você... para mim, você vai ser sempre esse homem admirável... que me surpreende com os carinhos precisos... e me encanta os olhos sabendo ser tão criança e tão desprotegido... tão íntegro e seguro... tão adulto....  essa delicadeza bruta... confusa e exata...

Lembrei daquele filme do Chaplin... “O Garoto” ... daquele amor incondicional entre duas pessoas que se precisaram no mundo.... você é alguém que eu preciso assim com algum desleixo... que é para não parecer tão necessário... esse cotidiano que dividimos entre telefonemas e noites de conversa... ao som de alguma trilha que compartilhamos... me faz muito bem... e deixe que eu te diga o quanto é verdade que você me faz bem... mesmo que você saiba disso... mesmo que eu repita mil vezes... faz tanto tempo que nos encontramos... faz tão pouco tempo que nos encontramos.... nos conhecemos da vida inteira.. e, se aprendo o caminho para chegar ao teu universo tão reservado, teu acesso ao meu universo se mostra tão fácil e tão difícil... muitas vezes ao mesmo tempo... tão fascinante e sensível essa nossa história... já passamos por tantos momentos que não é tanta a surpresa em me redescobrir te querendo tão bem depois de tanto tempo.... eu te quero para vida toda... sem algemas ou amarras... sem censura ou receio... quero ser risada certa... a brincadeira fundamental... o alívio imediato ou a longo prazo...  silêncio e som... água ou whisky dividido na madrugada...  a possibilidade de qualquer conversa... e a cumplicidade de sempre... essa segurança de proteger e ser protegida...

 

Eu acho que a melhor maneira de dizer o quanto você me é especial e me enche de delicadezas, é seguindo o curso óbvio das palavras mais simples, que comunicam essas sensações tão fáceis e preciosas... eu amo você... assim de um jeito de que vou amar por tanto tempo... e, por tanto tempo, vou redescobrir essa mesma sensação que é tão nova e tão antiga....  



Escrito por L.C. às 21h52
[ ] [ envie esta mensagem ]


Quadrilha

Acho que eu nunca recomecei um texto tantas vezes... não gosto quando as palavras me confundem a ponto de me paralisar....  aí fui entender que minha dificuldade estava no fato de que eu estava trilhando um caminho que não me deixava à vontade, que não me causava segurança...  tentava descrever o teu olhar sobre o mundo, sobre esses dias... ora, que audácia a minha tentar olhar a vida pelos teus olhos... e ainda transformar isso em palavras, frases... lembrei de um fragmento de conversa que tivemos ontem... eu dizendo que escrevo apenas para mim... sobre mim... porque não é possível olhar pelos olhos do outro.... não é permitido ver a vida através do outro... no máximo, se encontrar refletido... na melhor das hipóteses, compartilhar... no acerto, se identificar, se encontrar e se perder... sobre mim, eu posso falar com segurança... até com uma possível clareza... com alguma responsabilidade e propriedade...  do meu olhar eu percebo os demais olhares... e as tuas dores, eu tento amenizar com o meu carinho, a minha atenção, os meus olhos nos teus...

Senti vontade de dizer que você não entrou na minha vida... mas explodiu em intensidade e carinho... de forma surpreendente e não esperada... como nas melhores histórias... e eu não tenho dúvidas da nossa cumplicidade... eu não questiono a nossa intimidade... eu não duvido da nossa confiança... elas nos atropelaram no decorrer dos dias e se mostraram inteiras e necessárias para que pudéssemos nos compreender... a  vida, vez ou outra ainda me intimida...  o meu coração é do século passado, é coração fácil de mulher apaixonada... e eu quero a vida com fome de descobertas: do outro, dos fatos, imagens, vozes, sensações, reações...  eu quero os olhos, o toque, a intensidade da voz, a surpresa... e fazer a vida viva em som, cor e movimento.... 

 

Fiquei pensando que eu sei muito pouco... talvez menos do que deveria... sei pouco também sobre mim... acho que nós estamos vivendo a Quadrilha do Drummond... todos interessados por todos... e um alguém que não ama ninguém... só que a melhor maneira de dizer alguma coisa é simplesmente dizê-la... sem névoas, sem cenas, sem medo... e eu amo você.... não sei ainda de que maneira... mas eu amo... teu sorriso me desconcerta... teu carinho me encanta.... eu te agradeceria por uma série de coisas... mas “obrigada”  soaria como um favor... e nossa história, nossa linha de partida é um encontro especial... raro... o que eu quero mesmo é que nosso futuro e a nossa trajetória sejam bacanas... nos transforme em pessoas melhores... em pessoas mais felizes... com, cada vez, mais cumplicidade e respeito... mais risadas e histórias para viver e contar...

 

Eu comecei dizendo das minhas tentativas e confusões... e termino admitindo que ainda pareço confusa... mas isso não me faz mal, não me angustia e não te envolve... as minhas linhas, eu vou desenrolando com o passar dos dias... e tudo se ajeita no tempo certo... chega uma hora em que as peças encaixam e descobrimos algum sentido... e eu tenho cada vez mais prazer em saborear a vida... por isso proponho um brinde ao nosso encontro... um brinde aos nossos mistérios e aos nossos prazeres.... e a todo o tempo que vier para durar nossa história...

 

Os pequenos prazeres são também os maiores.... e a felicidade está nas sutilezas... na convivência fácil... e no carinho de apenas um olhar...

 

 



Escrito por L.C. às 14h48
[ ] [ envie esta mensagem ]


For You... (with love)

Desci a rua hoje... o dia parecia lindo... o caminho estava tranqüilo... lembrei de cada uma das nossas conversas... e o céu enorme acima de mim, testemunhou o carinho que sinto por você... e que existe em mim faz tanto tempo... e me faz tão bem.... os carros iam e vinham...  e eu com o pensamento no teu coração...  pensei em começos... em inícios... em ponto de partida... o recomeço sagrado de todos os dias... cheguei ao trabalho inteira e intensa... sentindo vontade de te dizer do céu e das cores... das sensações e dos tons... até tentei escrever de imediato...  escrever sobre desejos... sobre vontades...  a gente sempre descobre algum fio de luz quando nos ouvimos... quando percebemos o outro falar... eu chamaria isso de permuta.... de troca... isso que é fundamental nas minhas relações com amigos, amores, familiares, possibilidades, amargos ou doces....

 

Lembrei de todas as vezes em que senti uma vontade quase selvagem de te encontrar para um whiskinho... e é curiosa essa vontade porque é intensa... parece urgente... parece maiúscula.... sentar e dizer... parar o mundo para uma nova linha de partida.... contar uma montão de coisas minhas... te dizer que o vermelho sempre me agradou...  que Fernando Pessoa sempre será aquele que toca o meu coração como nenhum outro tocou.... que tenho uma veia brega muito forte... que minha casa é uma pequena bagunça organizada... que eu tenho dificuldade para dormir cedo.... que sou melhor a noite com a lua sinalizando....  que as descobertas dos dias... as menores e as maiores... fazem sempre com que meu coração bata num ritmo acelerado... elas fervem o sangue e me conduzem ao próximo passo.... e aprender a caminhar é um exercício diário....  que ainda tenho em mim a impulsividade romântica... e a emoção sublinhada na troca de uma marcha.... e que tenho urgência... não gosto de relações pela metade....  não gosto de névoa dificultando a visão.... olhos nos olhos é a melhor bússola que conheço.


Esse desejo de te dizer... de querer me revelar... de precisar te desvendar... te reconhecer... foi acalmando com a noite chegando...  e a noite chegou... e mantive o astral gostoso do dia inteiro... como se eu estivesse possuída por uma força interior poderosa... e sentei-me para escrever... para dizer com todo o carinho desse mundo... que eu também tenho medo.... e que meu coração também sofreu tempestades brutas... mas nem por isso se embruteceu...

 

As melhores palavras... os melhores sabores as melhores imagens o maior abraço... o melhor toque... e o melhor olhar... são todos para você... deixa eu te dar esse sentimento todo... como se fosse um pedido de futuro...



Escrito por L.C. às 01h21
[ ] [ envie esta mensagem ]


01/10/2005

Hoje faz um ano... lembro-me bem daquela tarde cinza... cheguei ao lugar marcado meio tímida... era estranho encontrar-me com alguém que eu jamais tinha visto... o garçom me salvou... quando eu disse seu nome, ele me encaminhou para aquela mesa próxima da janela... um olhar... um sorriso... e você estava estar ali... tranqüilo... tomando uma caipiroska de maracujá com morango... fiquei com vontade daquele morango que estava meio por cima... mas ainda estava tímida demais...  mantive a linha... e pedi apenas um café...

 

De alguma maneira que, provavelmente alguém saberia explicar, parecia que já nos conhecíamos desde sempre...  mas me lembro de ter falado que jamais te reconheceria... e você disse que me reconheceria com certeza... minhas mãos estavam frias e trêmulas... no início eu me senti meio “sem graça”... mas não precisamos mais de 5 minutos para estarmos à vontade...

 

Eu tentava ver teus olhos atrás das lentes escuras dos óculos... ainda assim consegui resistir ao impulso de pedir que você os tirasse... queria poder ver o tom de verde sem barreiras... a expressão do seu olhar... enquanto tua boca não parava de falar... você me falou da sua vida... me contou histórias... fez comentários “politicamente incorretos”... me deu um lindo CD (“músicas que falam de mim”... foi o que você disse)...e me fez sorrir.... e me encantou...

 

Foi a primeira vez... há exatamente um ano... e de lá pra cá muitos outros se seguiram... e em cada um eu me encantei um pouco mais... a cada novo papo... a cada novo encontro... a cada sorriso... e em cada olhar eu vi crescer um sentimento delicado... profundo... gostoso... uma amizade sem barreiras... uma relação de respeito, cumplicidade... parceria mesmo... lembro que no momento da despedida eu disse: “olha, amizade prá mim é algo muito sério”... e você concordou: “prá mim também”... que bom que nos levamos a sério!... algumas coisas são mesmo para sempre!

 



Escrito por L.C. às 23h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


E-mail de Boa Noite

Eu deveria estar escrevendo mais um e-mail de boa noite... mas o frio voltou... e com isso algumas fragilidades também... o meu telefone está mudo... justo agora, nesse momento em que eu gostaria de terminar a noite com aquele nosso bate-papo íntimo... aquela troca de idéias e frases.. que me parecem tão instigantes quanto interessantes.... e eu adoro esse nosso momento... quando não somos nem os melhores amigos... nem os melhores amantes.... como se fosse o início de um caminho...  estamos na ponte segura do querer bem e ainda não seguimos adiante... talvez nem sigamos...  mas somos um para o outro, belas cores... a possibilidade de um futuro incerto... uma página nova... um fio de luz... e eu te escrevo porque penso em você... penso em detalhes das tuas reações, em fragmentos da tua voz, nas minhas mãos ao menor alcance...  penso no que eu não te digo quando te olho... no que não é palavra, mas se transforma quando eu consigo compreender parte do mistério que é mais simples do que deveria... eu penso em você... e isso é tão forte e inesperado... ouço a sua música preferida e te escrevo... porque estou do outro lado da cidade e me parece equivocado que eu queira saber com quem anda e teus rumos.... faça teu caminho, percorra as tuas ruas, avance os teus sinais.... como somos pessoas que se encontraram e, ao nosso tempo, tecemos intimidades no avanço dos dias... as responsabilidades são mais frouxas entre nós.... se eu te quero para um romance... se você não sabe ainda ou se compreende, ainda é possível que as linhas se cruzem... ainda é possível que arrisquemos passos em direções diferentes... porque tudo é um começo e todo começo é divino-maravilhoso... é possível o meu entusiasmo... é possível a tua interrogação... não há embaraço na linha que ainda não cruzamos.... e se cruza,os, elas se complementaram...


Eu penso em você... e é lindo que alguém, por qualquer motivo, possa ser a semente de um pensamento... responsável por sensações e letras... razão de um momento: o de escrever, o de lembrar, o de querer.... não te parece, no mínimo, especial que entre tantas pessoas na cidade, a vida eleja um e deixe acontecer, surtir efeito?... eu gosto do clima... gosto dos detalhes... gosto da vida preenchida no todo...  eu valorizo as primeiras vezes... se estivermos atentos, todos os dias com todas as pessoas, estamos sujeitos ao inédito... e eu sei que você me entende.... ainda que os amigos sejam os amigos de sempre, é sempre tempo de uma nova ternura... de um novo carinho, uma nova emoção... é possível mudar o olhar... buscar outro ângulo naturalmente, sem obrigação alguma... faz  tempo que eu tenho vontade de sentar e conversar sobre a vida e seus afluentes... dos mínimos aos máximos... da poeira e do vigor dos dias... do efêmero ao que resiste... da igualdade e das diferenças... faz tempo que eu tenho vontades e as realizo... muitas vezes sem perceber que estou realizando... gosto das nossas conversas salpicadas do repente... gosto de uma cumplicidade que eu sei que existe... de uma velocidade cúmplice, seja no humor ou nas afinidades... gosto de um futuro que não sei se virá... gosto da possibilidade e do clichê... faz muito tempo que eu tenho o desejo de parir palavras que informassem sobre nossos universos... palavras fáceis... a vida, enfim, sem complicações... e faz tempo também que eu sei... do saber e seus afins, eu ilumino parte do caminho e qualquer luz, qualquer sinal, já me acalma... 

 

Como quem ouve mil sinfonias, eu te amo.. nem tão calada assim... e não sei se dizer dizer isso assim, de cara limpa, pode surtir efeitos plurais... eu deveria estar escrevendo outro e-mail de boa noite... mas não sou de fugir da beleza dos desejos... gosto desse momento... cada vida voltada para um novo amor... cada amor na esperança do acerto... e,cada acerto, na direção do desejo... eu te quero por muito tempo... faz tempo que eu te quero por muito tempo... e, de tudo que está acontecendo, você tem sido um lindo acerto...



Escrito por L.C. às 00h31
[ ] [ envie esta mensagem ]